Essa é uma questão que gera controvérsias. Afinal, o psicopedagogo pode diagnosticar distúrbios ou não? 

Faz parte do processo avaliativo psicopedagógico estabelecer um diagnóstico a fim de que o profissional possa não rotular, mas sim estabelecer estratégias de intervenção com o aprendentente. 

Para a psicopedagogia, os instrumentos utilizados para o levantamento diagnóstico constitui-se também como um instrumento de intervenção. A habilidade do psicopedagogo é que enriquece um objeto, transformando-o em um instrumento de avaliação. 

O diagnóstico psicopedagógico se baseia em hipóteses e exclusões. Ele consiste em um levantamento de informações onde se faz necessário o parecer de outros profissionais, tanto da área da saúde quanto da educação. 

Exemplo real

Em 2020 eu atendi uma criança de 11 anos que apresentava dificuldades na matemática já diagnosticada com Discalculia. Em minha avaliação utilizei os seguintes instrumentos: 

EOCA

PROVAS OPERATÓRIAS PIAGETIANAS

TÉCNICAS PROJETIVAS

LEITURA

ESCRITA

Parei aqui. A criança não conseguia ler e escrever corretamente. Tampouco, conseguia interpretar o texto que lia. O esforço que fazia para ler era tão grande, que ao terminar a frase, já não se lembrava o que leu. Logo desconfiei que não se tratava de discalculia, mas sim de dislexia. 

Fiz mais algun testes cabíveis, como de TDAH, Dislexia, Discalculia, Processos atencionais e encaminhei essa criança para uma avaliação com Fonoaodiólogo e Neurologista sob suspeita de Dislexia, Discalculia e Transtorno de Deficit de Atencão e Transtorno de Desenvolvimento da Linguagem. 

Sobre a minha perspectiva psicopedagógica, comecei a trabalhar o processo de intervenção com essa criança enquanto aguardávamos os pareceres dos outros profissionais. 

Portanto, sim. O psicopedagogo pode e deve fazer um diagnóstico, levantar e descartar hipóteses. Mas sobretudo, deve se lembrar que sua profissão é olhar além do diagnóstico. 


What's Your Reaction?

divertido divertido
1998
divertido
inspirado inspirado
1665
inspirado
feliz feliz
999
feliz
oh meu Deus oh meu Deus
3330
oh meu Deus
motivado motivado
2331
motivado
gostei gostei
666
gostei
Juliana Palma

Pedagoga, Psicopedagoga, Psicomotricista e Ma em Educação. Acadêmica do curso de Psicologia na Universidade São Franciso. Analista Comportamental e Terapeuta em ABA. "Descobri o TDAH aos 33 anos e hoje me dedico a ajudar outros adultos na avaliação e na intervenção do transtorno." Atendo crianças, adolescentes, adultos e idosos em seu espaço psicopedagógico online e na cidade de Bragança Paulista.

One Comment

Leave a Reply