Embora não haja um único teste médico, físico ou genético para TDAH, uma avaliação diagnóstica pode ser fornecida por um profissional de saúde mental qualificado ou médico que coleta informações de várias fontes. Essas fontes incluem listas de verificação de sintomas de TDAH, escalas padronizadas de classificação de comportamento, uma história detalhada do funcionamento passado e atual e informações obtidas de membros da família ou outras pessoas importantes que conhecem bem a pessoa. O psicopedagogo também realizará testes de capacidade cognitiva e desempenho acadêmico para descartar uma possível deficiência de aprendizado. O TDAH não pode ser diagnosticado com precisão apenas a partir de breves observações no consultório ou simplesmente conversando com a pessoa. A pessoa nem sempre pode apresentar os sintomas de TDAH durante a visita ao consultório, e o diagnosticador precisa fazer um histórico completo da vida do indivíduo.

Diretrizes clínicas para um diagnóstico de TDAH são fornecidas pela Associação Psiquiátrica Americana no manual de diagnóstico  Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, Fifth Edition  ( DSM-5 ). Essas diretrizes estabelecidas são amplamente utilizadas na pesquisa e na prática clínica. Durante uma avaliação, o clínico tentará determinar até que ponto esses sintomas se aplicam atualmente ao adulto e se eles estiveram presentes na infância. Ao fazer o diagnóstico, os adultos devem ter pelo menos cinco dos sintomas presentes. Esses sintomas podem mudar com o tempo, então os adultos podem se encaixar em apresentações diferentes de quando eram crianças.

O  DSM-5  lista três apresentações de TDAH – predominantemente desatento, hiperativo-impulsivo e combinado. Os sintomas para cada um são adaptados e resumidos abaixo.

TDAH apresentação predominantemente desatenta

  • Não dá muita atenção aos detalhes ou comete erros por descuido
  • Tem dificuldade em manter a atenção
  • Não parece ouvir
  • Lutas para seguir as instruções
  • Tem dificuldade de organização
  • Evita ou não gosta de tarefas que exijam esforço mental sustentado
  • Perde coisas
  • É facilmente distraído
  • É esquecido nas atividades diárias

TDAH apresentação predominantemente hiperativo-impulsiva

  • Mexe com as mãos ou pés ou se contorce na cadeira
  • Tem dificuldade em permanecer sentado
  • Corre ou escala excessivamente em crianças; extrema inquietação em adultos
  • Dificuldade em se envolver em atividades silenciosamente
  • Atua como se acionado por um motor; os adultos muitas vezes se sentirão por dentro como se fossem movidos por um motor
  • Fala excessivamente
  • Desfoca as respostas antes que as perguntas tenham sido concluídas
  • Dificuldade em esperar ou se revezar
  • Interrompe ou se intromete nos outros

Apresentação combinada de TDAH

O indivíduo atende aos critérios para apresentações de TDAH de desatenção e hiperativo-impulsivo.

Esses sintomas podem mudar com o tempo, então os adultos podem se encaixar em apresentações diferentes de quando eram crianças.

Um diagnóstico de TDAH é determinado pelo clínico com base no número e gravidade dos sintomas, na duração dos sintomas e no grau em que esses sintomas causam prejuízo em várias áreas da vida, como em casa, na escola ou no trabalho; com amigos ou parentes; ou em outras atividades. É possível atender aos critérios diagnósticos para TDAH sem quaisquer sintomas de hiperatividade e impulsividade. O médico deve determinar se esses sintomas são causados ​​por outras condições ou são influenciados por condições coexistentes.

Vários dos sintomas devem estar presentes antes dos 12 anos. Isso geralmente requer a confirmação de um dos pais ou de algum outro informante. É importante notar que a presença de comprometimento significativo em pelo menos dois grandes cenários da vida da pessoa é central para o diagnóstico de TDAH. O comprometimento refere-se a como o TDAH interfere na vida de um indivíduo. Exemplos de deficiência incluem perder um emprego por causa de sintomas de TDAH, experimentar conflitos e angústias excessivos em um casamento, entrar em problemas financeiros por causa de gastos impulsivos, falta de pagamento de contas em tempo hábil ou ser colocado em liberdade condicional na faculdade devido a notas baixas . Se o indivíduo apresentar vários sintomas de TDAH, mas eles não causarem comprometimento significativo, ele pode não atender aos critérios para ser diagnosticado com TDAH como um transtorno clínico.

Escalas de autoavaliação da Internet

Existem muitos sites na Internet sobre TDAH que oferecem vários tipos de questionários e listas de sintomas. A maioria desses questionários não são padronizados e validados cientificamente e não deve ser usada para autodiagnosticar ou diagnosticar outras pessoas com TDAH. Um diagnóstico válido só pode ser fornecido por um profissional qualificado e licenciado.

Quem está qualificado para diagnosticar o TDAH?

Para adultos, uma avaliação diagnóstica de TDAH deve ser realizada por um profissional de saúde mental (psicólogos, psicopedagogos e neuropsicopedagogos) ou por um médico (psiquiatra, neurologista, médico de família ou outro tipo de médico).

Seja qual for o tipo de profissional escolhido, é importante perguntar sobre sua formação e experiência no trabalho com adultos com TDAH. Muitas vezes, o nível de conhecimento e experiência do profissional sobre o TDAH adulto é mais importante para obter um diagnóstico preciso e um plano de tratamento eficaz do que o tipo de diploma profissional. Profissionais qualificados geralmente estão dispostos a fornecer informações sobre sua formação e experiência com adultos com TDAH. A relutância em fornecer tais informações em resposta a solicitações razoáveis ​​deve ser vista com suspeita e pode ser um indicador de que o indivíduo deve procurar um profissional diferente.

Como encontro um profissional qualificado para diagnosticar o TDAH?

Comece pela avaliação neuropsicológica ou neuropsicopedagógica.  

Na avaliação neuropsicopedagógica  serão usados  instrumentos especificamente  padronizados e não restritos, avaliando  as  funções neurocerebrais  (habilidades  de atenção,  percepção,  linguagem, raciocínio,  abstração,   memória, aprendizagem,  habilidades acadêmicas,  processamento de  informações,  visuoconstrução, funções motoras e executivas). O foco da avaliação neuropsicopedagógica é entender como o sujeito se relaciona com o ambiente de aprendizagem (acadêmico e profissional) e ajudá-lo a criar novos hábitos a partir das estimulações cognitivas e das funções cognitivas. E se há comorbidades nos aspectos da aprendizagem. 

Já a avaliação neuropsicológica tem uma área de atuação mais focada no emocional. Para esse tipo de avaliação são usados instrumentos restritos a psicólogos que também irão avaliar a neurocognição, além da personalidade e os aspectos emocionais. Através de uma avaliação neuropsicológica será possível verificar se além do TDAH, o paciente possui outras comorbidades como ansiedade, depressão ou bipolaridade.  

As duas avaliações serão capazes de rastrear ou não o TDAH, bem como  outros aspectos do neurodesenvolvimento. No entanto, cada qual está focada dentro de sua área de atuação. 

A Neuropsicopedagogia atua com  avaliação,  intervenção, acompanhamento,  orientação  de estudos  e  ensino  de  estratégias  de aprendizagem, planejamento e organização,  dentro das áreas da saúde e educação, ocupando-se do  processo  de aprendizagem considerando o  sujeito,  a  família,  a  escola ou o trabalho, a sociedade e o contexto sócio-histórico. Utiliza procedimentos  próprios e não restritos a outros profissionais, fundamentados  em  diferentes referenciais teóricos e científicos. 

A Neuropsicologia atua com a avaliação e o  tratamento na  pesquisa  da  cognição,  das emoções,  da  personalidade  e  do comportamento  sob  o  enfoque  da relação  entre  esses  aspectos  e  o  funcionamento cerebral.

Como saber se preciso de uma avaliação para TDAH?

A maioria dos adultos que procuram uma avaliação para TDAH experimenta problemas significativos em uma ou mais áreas da vida. A seguir estão alguns dos problemas mais comuns:

  • Desempenho inconsistente em empregos ou carreiras; perder ou sair de empregos com frequência
  • Histórico de insucesso acadêmico e/ou na carreira
  • Pouca capacidade de gerenciar responsabilidades do dia-a-dia, como realizar tarefas domésticas, tarefas de manutenção, pagar contas ou organizar coisas
  • Problemas de relacionamento devido a não completar tarefas
  • Esquecer coisas importantes ou ficar chateado facilmente com coisas pequenas
  • Estresse crônico e preocupação devido ao fracasso em cumprir metas e cumprir responsabilidades
  • Sentimentos crônicos e intensos de frustração, fracasso ou culpa

Um profissional qualificado pode determinar se esses problemas são devidos ao TDAH, alguma outra causa ou uma combinação de causas. Embora alguns sintomas de TDAH sejam evidentes desde a infância, alguns indivíduos podem não apresentar problemas significativos até mais tarde na vida. Alguns indivíduos muito brilhantes e talentosos, por exemplo, são capazes de compensar seus sintomas de TDAH e não experimentam problemas significativos até o ensino médio, faculdade ou em busca de sua carreira. Em outros casos, os pais podem ter fornecido um ambiente altamente protetor, estruturado e de apoio, minimizando o impacto dos sintomas de TDAH até que o indivíduo comece a viver de forma independente como um jovem adulto.

Como devo me preparar para a avaliação?

A maioria das pessoas ficam um pouco nervosas e apreensivas em ser avaliada para qualquer tipo de condição, como o TDAH. Isso é normal e não deve impedir ninguém de procurar uma avaliação se estiver com problemas significativos na vida e houver suspeita de TDAH. Infelizmente, alguns dos equívocos comuns sobre o TDAH, como “só ocorre em crianças” ou “a pessoa está apenas procurando uma desculpa”, tornam muitas pessoas relutantes em procurar ajuda.

Muitos profissionais acham útil revisar boletins antigos e outros registros escolares que datam do jardim de infância ou mesmo dos anos pré-escolares. Se tais registros estiverem disponíveis, eles devem ser trazidos para a primeira consulta. Cópias de relatórios de qualquer teste psicológico anterior também devem ser trazidas para a consulta. Para adultos que enfrentam problemas no local de trabalho, as avaliações de trabalho devem ser trazidas para revisão, se disponíveis.

Muitos profissionais pedirão que o indivíduo preencha e devolva questionários antes da avaliação e identifique um cônjuge ou outro membro da família que também possa participar de partes da avaliação. O preenchimento oportuno e a devolução dos questionários agilizarão a avaliação.

O que é uma avaliação abrangente?

Embora diferentes clínicos variem um pouco em seus procedimentos e materiais de teste, certos protocolos são considerados essenciais para uma avaliação abrangente. Isso inclui uma entrevista diagnóstica completa, informações de fontes independentes, como o cônjuge ou outros membros da família, listas de verificação de sintomas do DSM-5, escalas padronizadas de classificação de comportamento para TDAH e outros tipos de testes psicométricos considerados necessários pelo profissional. Estes são discutidos em mais detalhes abaixo.

A entrevista diagnóstica: sintomas de TDAH

A parte mais importante de uma avaliação abrangente de TDAH é uma entrevista estruturada ou semiestruturada, que fornece uma história detalhada do indivíduo. O entrevistador faz um conjunto pré-determinado e padronizado de perguntas para aumentar a confiabilidade e diminuir as chances de um entrevistador diferente chegar a conclusões diferentes. O clínico cobre uma ampla gama de tópicos, discute questões relevantes em detalhes e faz perguntas de acompanhamento para garantir que todas as áreas de interesse sejam cobertas. O examinador revisará os critérios diagnósticos para TDAH e determinará quantos deles se aplicam ao indivíduo, tanto no momento atual quanto desde a infância. O entrevistador determinará ainda até que ponto esses sintomas de TDAH estão interferindo na vida do indivíduo.

A entrevista diagnóstica: triagem para outros transtornos psiquiátricos

O examinador também realizará uma revisão detalhada para ver se outros transtornos psiquiátricos que podem se assemelhar ao TDAH ou que comumente coexistem com o TDAH estão presentes. O TDAH raramente ocorre sozinho, e pesquisas mostraram que mais de dois terços das pessoas com TDAH têm uma ou mais condições coexistentes. Os mais comuns incluem depressão, transtornos de ansiedade, dificuldades de aprendizagem e transtornos por uso de substâncias. Muitas dessas condições têm sintomas que podem imitar os sintomas do TDAH e podem, de fato, ser confundidos com o TDAH. Uma avaliação abrangente inclui triagem para condições coexistentes. Quando uma ou mais condições coexistentes estão presentes junto com o TDAH, é essencial que todas sejam diagnosticadas e tratadas. A falha no tratamento de condições coexistentes muitas vezes leva ao fracasso no tratamento do TDAH. E, crucialmente, quando os sintomas de TDAH são uma consequência secundária de depressão, ansiedade ou algum outro transtorno psiquiátrico, a falha em detectar isso pode resultar em tratamento incorreto do indivíduo para TDAH. Outras vezes, o tratamento do TDAH eliminará o outro transtorno e a necessidade de tratá-lo independentemente do TDAH.

É provável que o examinador também faça perguntas sobre o histórico de saúde da pessoa, desenvolvimento desde a primeira infância, experiência acadêmica e de trabalho, histórico de direção, abuso de drogas e álcool, vida familiar e/ou conjugal e histórico social. O examinador procurará padrões típicos em indivíduos com TDAH e também tentará determinar se outros fatores além do TDAH podem estar causando sintomas que se parecem com TDAH.

Participação de entes queridos

Também é essencial que o clínico entreviste uma ou mais fontes independentes, geralmente uma pessoa significativa (cônjuge, membro da família, pai ou parceiro) que conhece bem a pessoa. Este procedimento não é para questionar a honestidade da pessoa, mas sim para coletar informações adicionais. Muitos adultos com TDAH têm uma memória irregular ou ruim de seu passado, principalmente da infância. Eles podem se lembrar de detalhes específicos, mas esquecer os diagnósticos que receberam ou os problemas que encontraram. Assim, o clínico pode solicitar que o indivíduo que está sendo avaliado faça com que seus pais preencham um perfil retrospectivo de TDAH descrevendo o comportamento da infância.

Muitos adultos com TDAH também podem ter uma consciência limitada de como os comportamentos relacionados ao TDAH causam problemas para eles e têm impacto sobre os outros. No caso de casais casados ​​ou em coabitação, é vantajoso para o casal que o clínico os entreviste juntos ao revisar os sintomas de TDAH. Este procedimento ajuda o cônjuge ou parceiro sem TDAH a desenvolver uma compreensão precisa e uma atitude empática em relação ao impacto dos sintomas de TDAH no relacionamento, preparando o cenário para melhorar o relacionamento após a conclusão do processo de diagnóstico. Se não for possível entrevistar os entes queridos, fazer com que eles preencham listas de sintomas é uma boa alternativa.

Muitos adultos com TDAH podem se sentir profundamente frustrados e envergonhados pelos problemas contínuos causados ​​pelo transtorno. É muito importante que a pessoa avaliada discuta esses problemas de forma aberta e honesta e não retenha informações devido a sentimentos de vergonha ou medo de críticas. A qualidade da avaliação e a precisão do diagnóstico e das recomendações de tratamento serão amplamente determinadas pela precisão das informações fornecidas ao examinador.

Escalas de classificação de comportamento padronizadas

Uma avaliação abrangente pode incluir uma ou mais escalas de classificação de comportamento padronizadas. Esses questionários usam pesquisas comparando comportamentos de pessoas com TDAH com pessoas sem TDAH. As pontuações nas escalas de classificação não são consideradas diagnósticas por si só, mas servem como uma importante fonte de informação objetiva no processo de avaliação. 

Testes adicionais

Dependendo do indivíduo e dos problemas que estão sendo abordados, testes psicológicos, neuropsicológicos ou de dificuldades de aprendizagem adicionais podem ser usados ​​conforme necessário. Estes não diagnosticam o TDAH diretamente, mas podem fornecer informações importantes sobre as maneiras pelas quais o TDAH afeta o indivíduo. O teste também pode ajudar a determinar a presença e os efeitos de condições coexistentes. Por exemplo, para determinar se o indivíduo tem uma deficiência de aprendizagem, o clínico geralmente aplica um teste de habilidade intelectual, bem como um teste de desempenho acadêmico.

Exame médico

Se o indivíduo que está sendo avaliado não teve um exame físico recente (dentro de 6 a 12 meses), um exame médico é recomendado para descartar causas médicas para os sintomas. Algumas condições médicas, como problemas de tireóide e distúrbios convulsivos, podem causar sintomas que se assemelham aos sintomas de TDAH. Um exame médico não confirma o TDAH, mas é extremamente importante para ajudar a descartar outras condições ou problemas.

Concluindo a avaliação

No final da avaliação, o clínico integrará as informações coletadas por meio de diversas fontes, preencherá um resumo ou relatório por escrito e fornecerá ao indivíduo e à família opiniões diagnósticas sobre o TDAH, bem como quaisquer outros transtornos psiquiátricos ou dificuldades de aprendizagem que possam ocorrer. foram identificados durante a avaliação. O clínico então revisará as opções de tratamento e ajudará o indivíduo a planejar um curso de intervenção médica e psicossocial apropriada. Posteriormente, o clínico se comunicará com os prestadores de cuidados primários do indivíduo, conforme considerado necessário.

Referências: 

Muitas informações desse texto foram traduzidas de sites ou livros importantes e renomados. Para aprender mais e beber direto da fonte consulte: 

https://add.org/


What's Your Reaction?

divertido divertido
1998
divertido
inspirado inspirado
1665
inspirado
feliz feliz
999
feliz
oh meu Deus oh meu Deus
3330
oh meu Deus
motivado motivado
2331
motivado
gostei gostei
666
gostei
Juliana Palma

Pedagoga, Psicopedagoga, Psicomotricista e Ma em Educação. Acadêmica do curso de Psicologia na Universidade São Franciso. Analista Comportamental e Terapeuta em ABA. "Descobri o TDAH aos 33 anos e hoje me dedico a ajudar outros adultos na avaliação e na intervenção do transtorno." Atendo crianças, adolescentes, adultos e idosos em seu espaço psicopedagógico online e na cidade de Bragança Paulista.

0 Comments

Leave a Reply