Não ensine seus filhos a nunca ficarem zangados; ensine-os a ficar com raiva.

– Lyman Abbott

Cada um de nós será dominado pela raiva, medo ou ansiedade em algum momento da vida. Se você nunca soube que tinha um temperamento, seus filhos vão apresentá-lo a você. E esses momentos de intensidade são nossos verdadeiros testes de caráter. Como reagiremos quando nossos cérebros estiverem em modo de luta ou fuga? 

Sem pensamento ou planejamento, corremos o risco de atacar nossos entes queridos e não apenas perturbar nossa rotina, mas também nossa base de confiança. E temos que viver com a culpa e o arrependimento que vem com isso. Mas e se nós simplesmente planejássemos esses momentos e discutíssemos como iríamos esfriar nossos ânimos com a nossa família? Poderíamos ter a chance de trazer o nosso melhor para a maioria dos momentos difíceis da vida.

Tenha um plano de contigência para a raiva

Por que ter um plano para o momento da raiva? Porque ajudará saber o que fazer quando os grandes sentimentos surgirem. Assim você tem a chance de se comportar de uma forma mais adequada e se sentir menos culpada depois. 

Sempre que você está emocionalmente abalado por medo, ansiedade, raiva ou mágoa, está funcionando a partir de seu cérebro primitivo, sua amígdala. Existem produtos químicos que se espalham pelo resto do seu cérebro, cortando o acesso com a racionalidade, de modo que suas únicas habilidades funcionais estão em seu centro de sobrevivência. A resolução eficaz de problemas requer acesso aos centros de controle de lógica, linguagem e criatividade, embora estes não possam ser utilizados quando estamos muito perturbados. De forma que se o seu plano quando seu filho fizer uma escolha errada que o irrita for chegar a uma consequência lógica na hora, você não será capaz desse tipo de pensamento de nível superior.

Esse “hyjacking” de seu cérebro, como Daniel Goleman, autor de Inteligência Emocional se refere a ele, desempenha um papel crítico. Em verdadeiras circunstâncias de sobrevivência, você é capaz de se concentrar em lutar ou fugir da fonte de perigo. Mas na vida familiar, brigar com palavras ou fugir porta afora muitas vezes não é construtivo, seguro ou prático. Criar um plano para o que cada membro pode fazer quando estiver neste estado de espírito e praticá-lo pode preparar todos os membros para agir com inteligência emocional durante uma crise, grande ou pequena.

Criando um plano familiar

  • Converse sobre o assunto quando não estiver emocionado. Encontre um momento em que você não tenha a pressão de tempo para sentar e discutir um plano.
  • Compartilhe seu conhecimento. Fale sobre as informações acima e eduque seus filhos e seu cônjuge sobre como o cérebro funciona em um estado altamente emocional. Além disso, reflita sobre os sintomas que você e seus filhos podem sentir, que o ajudam a compreender suas emoções. Por exemplo, você fica vermelho no rosto ou nas orelhas quando está chateado? Seu filho treme quando está com medo ou cheio de ansiedade? Que experiências físicas você tem quando é altamente emocional?
  • Seja o modelo. As crianças entendem suas emoções e como lidar com elas principalmente observando você! Você já notou seu filho gritando ou usando palavras com raiva da mesma maneira que você? A modelagem é um professor poderoso. Então você vai primeiro! Reserve um momento para responder às seguintes perguntas e / ou preencha os espaços em branco. Aqui está um documento pdf com espaços em branco para preencher e usar com sua família –  

Plano de Segurança Emocional

Esse é um modelo que criei para aprender a me comunicar quando estiver muito emocionada. Você pode copiar esse modelo e utilizá-lo também.

Quando estou com raiva ou muito ansioso, direi … (seja breve !!) ______________________

Exemplo: “A mamãe precisa de cinco minutos.”

Então, irei (descreva o local específico.) __________________________________Para esfriar.

Exemplo: Eu vou para minha cadeira favorita no meu quarto. 

Nota: Se você está inseguro de deixar as crianças sozinhas…

 a.) Elas são pequenas.

 b.) Se sente preocupado que seus filhos se machuquem. 

….Sugiro designar um lugar onde você possa ver a crianças. 

Para me acalmar, irei … (Respirar fundo quantas vezes? Então. Escrever? Desenhar? Pensar? Planejar?) ____________________________________________________

Exemplo: Eu respiro profundamente dez vezes. Essa é uma parte essencial de qualquer plano, pois remove a substância química de seu cérebro lógico para que você tenha acesso a regulação emocional novamente. Eu mantenho um diário e caneta em meu escritório. Às vezes, no caso do mau comportamento de uma criança, ao qual preciso responder quando imediatamento, quando me acalmo eu penso nas consequências lógicas ou nas respostas construtivas que eu poderia ter dado.  Eu me pergunto: “O que ele precisa aprender? Como posso facilitar seu aprendizado nesta situação? ”

Voltarei para minha família quando … _________________________________________________

Exemplo: Para mim, é quando eu me acalmei adequadamente e sei meu próximo movimento quando eu volto à situação.

Agora peça à sua família para escrever os próprios planos depois de ouvir os seus. Certifique-se de que todos conheçam os planos uns dos outros. Um adulto que sai da sala pode assustar uma criança e agravar o transtorno. Mas se você já discutiu isso, então você só precisa lembrá-lo de seu plano e implementá-lo.

Ter um plano pode proporcionar segurança e proteção à sua vida familiar. Pode criar um ambiente mais atencioso e solidário quando todos sabem que existe um processo de resposta claro para cada pessoa quando ela está mais vulnerável. 

Depois de se habituar a usar o plano de segurança emocional com sua família, você pode se perguntar como poderia ter vivido sem ele?!


What's Your Reaction?

divertido divertido
2997
divertido
inspirado inspirado
2664
inspirado
feliz feliz
1998
feliz
oh meu Deus oh meu Deus
999
oh meu Deus
motivado motivado
3330
motivado
gostei gostei
1665
gostei
Juliana Palma

Pedagoga, Psicopedagoga, Psicomotricista e Ma em Educação. Acadêmica do curso de Psicologia na Universidade São Franciso. Analista Comportamental e Terapeuta em ABA. "Descobri o TDAH aos 33 anos e hoje me dedico a ajudar outros adultos na avaliação e na intervenção do transtorno." Atendo crianças, adolescentes, adultos e idosos em seu espaço psicopedagógico online e na cidade de Bragança Paulista.

0 Comments

Leave a Reply