As diretrizes psiquiátricas mais recentes para o diagnóstico de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) em crianças e adultos foram alteradas para tornar 18% mais fácil se qualificar para os medicamentos estimulantes prescritos regularmente.

Agora você só precisa de cinco sintomas de TDAH para se qualificar, e a faixa etária para a qual as prescrições são recomendadas foi expandida.

Você está pensando: “Ótimo, isso tornará mais fácil para aqueles que sofrem dessas síndromes obterem a medicação que desejam!”? Não é necessariamente assim, de acordo com o psiquiatra de São Francisco, Dr. Winston Chung.

“Como a maioria dos adultos diagnosticados com TDAH é tratada com estimulantes, ao contrário da psicoterapia, mais pessoas sendo diagnosticadas significarão mais pessoas tomando (estimulantes)”, diz Chung.

O diagnóstico pode nem estar correto, ressalta. “Adultos e adolescentes com dificuldades de concentração ou distração devem ser informados de que esses problemas também podem ser sintomas de humor ou ansiedade.”

É muito fácil conseguir essas receitas, no entanto, ressalta que os critérios para o diagnóstico de TDAH são baseados em sintomas, não em marcadores biológicos ou causas. “Tudo o que um paciente precisa para obter uma receita é recitar os sintomas do DSM.”

O presidente da força-tarefa que relaxa os padrões para o diagnóstico de TDAH lamentou publicamente como a mudança desses padrões contribuiu para “falsas epidemias” de TDAH, autismo e transtorno bipolar em crianças. 

“Para uma perspectiva de como os padrões do DSM podem ser arbitrários, mas de alto impacto, às vezes, deve-se considerar que o DSM-II original classificou a homossexualidade como um transtorno mental”, diz Chung.

Mesmo sem o relaxamento dos padrões de prescrição de estimulantes para o tratamento do TDAH, a prescrição desses estimulantes nos Estados Unidos está aumentando com incrível velocidade. A maior mudança nas prescrições ocorreu entre os adultos de 19 a 25 anos. Mulheres jovens e de meia-idade viram um aumento de 264% no uso de drogas para TDAH de 2005 a 2010. Chung descobriu que um diagnóstico de TDAH para o qual os estimulantes podem ser prescritos é a referência mais comum em sua prática de grupo.

Chung, um psiquiatra qualificado para diagnosticar e prescrever essas drogas, cita algumas estatísticas alarmantes sobre suas consequências em seu artigo na edição de 1º de maio de 2013 do San Francisco Chronicle. Visitas a salas de emergência relacionadas a remédios para TDAH dobraram de 2005 a 2010, de acordo com uma pesquisa da Drug Abuse Awareness Network. “O fato de que as maiores taxas de aumento para essas visitas foram em adultos com mais de 18 anos sugere que esta é a faixa etária com maior uso para uso indevido.” Ele aponta que o abuso desses estimulantes pode levar a flutuações de humor, ansiedade ou até psicose.

Um estudo publicado na edição de fevereiro do Annals of Clinical Psychiatry descobriu que 20% dos alunos de uma faculdade de medicina dos Estados Unidos relataram “uso vitalício de estimulantes prescritos”, em comparação com apenas 6% dos estudantes universitários.

Haverá alternativas que amenizem o sofrimento dessas pessoas, sem os efeitos colaterais que as drogas causam?

Muitas pessoas que experimentaram a técnica Access Consciousness ® conhecida como “Barras de Acesso® ” experimentaram um alívio significativo dos sintomas de distração, incapacidade de concentração, bem como depressão e outros “transtornos de humor” para os quais as pessoas podem estar erroneamente se diagnosticando e usando drogas.

Muitos praticantes de sessões individuais de Barras de Acesso® notaram um profundo relaxamento entre seus clientes. Muitos desses indivíduos descobrem que sentem falta daquela mesma hiperatividade e distração para as quais os medicamentos são tão freqüentemente prescritos. Eles podem sentir-se relaxados pela primeira vez na vida.

Muitos pacientes das Barras de Access® relatam que seu desempenho foi aprimorado de muitas maneiras que não esperavam, geralmente após apenas uma hora de sessão de Barras. Um adolescente no México nem mesmo abriu seu livro antes dos exames, apenas pediu à sua mãe, uma facilitadora certificada, que lhe desse uma sessão de Barras. Ele foi bem no exame. Outro adolescente disse à mãe no café da manhã que não havia estudado para o próximo exame de geografia. Ela só teve tempo de fazer uma sessão muito curta, mas ele também passou no exame com louvor.

Ao contrário das drogas estimulantes, a sessão de Barras de Acesso ® não tem efeitos colaterais negativos. “Você não pode machucar ninguém fazendo suas Barras”, diz seu descobridor, Gary Douglas. Douglas é o fundador da Access Consciousness ® , que oferece sessões e aulas de Barras de Access ® em 47 países em todo o mundo, por meio de mais de 2.000 Facilitadores de Barras qualificados.

Fonte: https://www.access-consciousness-blog.com/2013/05/could-access-consciousness-assist-adhd-and-mood-disorders-without-drugs/

Em meus atendimentos psicopedagógicos presenciais, sempre procuro incluir 15 minutos de Barras de Access, pois os benefícios são incríveis e fazem a diferença. Se você mora em São Bernardo do Campo, ou na região do ABC, espero você em meu espaço!


What's Your Reaction?

divertido divertido
666
divertido
inspirado inspirado
333
inspirado
feliz feliz
2997
feliz
oh meu Deus oh meu Deus
1998
oh meu Deus
motivado motivado
999
motivado
gostei gostei
2664
gostei
Juliana Palma

Pedagoga, Psicopedagoga, Psicomotricista e Ma em Educação. Acadêmica do curso de Psicologia na Universidade São Franciso. Analista Comportamental e Terapeuta em ABA. "Descobri o TDAH aos 33 anos e hoje me dedico a ajudar outros adultos na avaliação e na intervenção do transtorno." Atendo crianças, adolescentes, adultos e idosos em seu espaço psicopedagógico online e na cidade de Bragança Paulista.

0 Comments

Leave a Reply