O que causa o TDAH?

O TDAH é causado por diferenças químicas, estruturais e de conectividade no cérebro, principalmente como resultado da genética.

Os pesquisadores costumavam acreditar que o TDAH estava relacionado a pequenos ferimentos na cabeça e danos cerebrais, mas a maioria das pessoas com TDAH não tem esse histórico e essa teoria foi refutada. Outros especularam que o açúcar refinado e os aditivos alimentares causam sintomas de TDAH. Embora o açúcar refinado não seja bom para a saúde em geral, não houve nenhuma correlação cientificamente comprovada entre açúcar e aditivos alimentares e TDAH.

O TDAH NÃO é causado por: pais deficientes, quedas ou lesões na cabeça, eventos traumáticos da vida, distrações digitais, videogames e televisão, falta de atividade física, aditivos alimentares, alergias alimentares ou excesso de açúcar.

Diferenças Químicas

A pesquisa mostra que aqueles com TDAH têm anormalidades na forma como os neurotransmissores dopamina e norepinefrina funcionam para facilitar a comunicação entre os neurônios e a ativação de várias funções cerebrais.

Diferenças na rota de comunicação relacionadas à recompensa e consequência, uma via envolvendo a atividade da dopamina (Volkow, et al, 2009) foram encontradas como particularmente problemáticas nos cérebros de indivíduos com TDAH, assim como as redes cerebrais envolvidas no engajamento e regulação de atenção. Interrupções nos níveis e atividade de serotonina também podem desempenhar um papel, particularmente afetando a modulação e regulação do sistema dopaminérgico.

Atividade cerebral e diferenças estruturais

O cérebro com TDAH tem diferenças nos níveis de atividade e na forma como certas áreas são estruturadas .

Pesquisas em andamento demonstram diferenças no metabolismo, desenvolvimento e volume do cérebro em várias estruturas cerebrais naqueles com TDAH (McCarthy et al, 2013; Metin et al, 2014; Uddin et al, 2008 e 2009; Zametkin, 1990). 

Zametkin e colegas publicaram o primeiro estudo de neuroimagem de adultos com TDAH em 1990. Este estudo usou PET scans para estudar o metabolismo cerebral em adultos com TDAH em comparação com uma amostra sem TDAH. O estudo descobriu que adultos com TDAH tiveram exames cerebrais mostrando atividade significativamente reduzida em todo o cérebro, especialmente em duas áreas do cérebro responsáveis ​​pela atividade motora e capacidade de atenção (o córtex pré-motor e o córtex pré-frontal). Vários estudos também mostraram diferenças no volume, substância cinzenta e branca e níveis de atividade dentro de estruturas como o córtex pré-frontal, núcleo caudado, área tegmental ventral, substância negra, cerebelo e corpo caloso em indivíduos com TDAH (Castellanos, 2002; Tomasi & Volkow, 2014).

Diferenças da comunicação cerebral

O cérebro com TDAH se conecta e se comunica de maneira diferente dos cérebros neurotípicos.

Estudos continuam a validar uma teoria de baixa conectividade entre diferentes partes do cérebro e ao longo de diferentes rotas de comunicação, principalmente o que é chamado de “rede de modo padrão” (DMN). A disfunção nessa rede atrapalha o desempenho e o empenho nas atividades.

Genética

Vários genes têm sido associados ao TDAH, que é altamente hereditário. 

Vários genes foram correlacionados com o TDAH, incluindo os genes receptores de dopamina DRD4 e D2, bem como um gene de transporte de dopamina (DAT1). Os genes que afetam a atividade da serotonina também podem desempenhar um papel (Henriguez et al, 2008; Soo-Churi et al, 2012; Gizer et al 2008, Franke et al, 2010).

Há uma grande quantidade de evidências de que o TDAH ocorre em famílias, o que sugere fatores genéticos. Estudos recentes sugerem que entre 40-60% dos filhos de adultos com TDAH também terão a condição (Biderman et al., 1992; Medine et al, 2003; Barkley, 2008).

Fonte: https://add.org/adhd-facts/


What's Your Reaction?

divertido divertido
666
divertido
inspirado inspirado
333
inspirado
feliz feliz
2997
feliz
oh meu Deus oh meu Deus
1998
oh meu Deus
motivado motivado
999
motivado
gostei gostei
2664
gostei
Juliana Palma

Pedagoga, Psicopedagoga, Psicomotricista e Ma em Educação. Acadêmica do curso de Psicologia na Universidade São Franciso. Analista Comportamental e Terapeuta em ABA. "Descobri o TDAH aos 33 anos e hoje me dedico a ajudar outros adultos na avaliação e na intervenção do transtorno." Atendo crianças, adolescentes, adultos e idosos em seu espaço psicopedagógico online e na cidade de Bragança Paulista.

0 Comments

Leave a Reply