"Hikikomori" Vício em telas

Terapia psicopedagógica infanto-juvenil para dependências tecnológicas e isolamento social

Hikikomori é uma palavra japonesa que descreve uma condição que afeta principalmente adolescentes ou jovens adultos que vivem isolados do mundo, enclausurados nas casas de seus pais, trancados em seus quartos por dias, meses ou até anos a fio, e se recusando a se comunicar mesmo com sua família. Esses pacientes usam a Internet profusamente e só se aventuram para lidar com suas necessidades corporais mais imperativas. Embora descritos pela primeira vez descrito Japão no final da década de 1990 como uma síndrome cultural, o hikikomori foi recentemente reconhecido como um fenômeno patológico prevalente em todo o mundo, com relatos de vários países.

Benefícios da terapia para vício em telas

Tratamento

Quando o sujeito chega em um ponto de extremo isolamento, apresentando principalmente a desistência social, esse deve ser assistido por psiquiatras para obter a medicação quando necessário e por psicoterapeutas, sendo a terapia mais adequada, aquela em que o sujeito se identifica. 

 

No âmbito psicopedagógico — recomendado quando o isolamento social está interferindo na aprendizagem cognitiva — é recomendado uma avaliação psicopedagógica para identificar em quais campos da aprendizagem o sujeito está sendo prejudicado e também pode ser assistido por um programa de conscientização, equilíbrio e reinserção escolar. Esse trabalho, realizado em consultório de forma presencial ou de forma online foi desenvolvido com base em grandes relatos da literatura científica e testado clinicamente. 

 

 

Hikikomori

Hikikomori é o termo japonês utilizado para identificar o isolamento social pelo vício em telas

Sintomas:

  • Queda no rendimento escolar
  • Desinteresse por outras brincadeiras além das telas
  • Perda de interesse social
  • Perda de interesse na higiene pessoal
  • Alimentação inadequada (esquecendo de se alimentar ou comendo em excesso)
  • Irritabilidade
  • Desistência da vida social (nesse ponto já não se preocupa mais com as consequências de faltar a escola ou perder o emprego). Nada mais importa.
  • Distúrbios do sono (ficam até tarde acordados e depois tem dificuldade para levantar no horário certo)

Dependência dos eletrônicos e alteração da estrutura cerebral

Uma revisão da literatura conduzida por Lemos, Diniz e Sougey (2014) demonstrou que usuários viciados em  jogos pela internet, submetidos a exames de neuroimagem (ressonância magnética funcional, ressonância magnética estrutural, eletroencefalograma e tomografia por emissão de pósitrons), demonstraram alterações funcionais e estruturais cerebrais e  apontaram convergências quanto às reciprocidades cerebrais. Essas alterações neurais são consideradas semelhantes às observadas em pacientes dependentes de substância química.

Comorbidades que a dependência em eletrônicos pode trazer

A dependência tecnológica traz comorbidades importantes, o que pode resultar em dificuldades que as crianças levarão por toda a vida, tais como: 

  • transtorno depressivo
  • transtorno de déficit de atenção e hiperatividade
  • transtorno de ansiedade generalizada

É importante que pais e terapeutas tenham consciência disso ao avaliar e diagnosticar uma criança. Muitos transtornos estão sendo diagnosticados equivocadamente, pois crianças, adolescentes e adultos viciados em eletrônicos podem facilmente apresentar características similares ao autismo, por exemplo. 

Outra informação importante e que precisamos estar atentos é que a dependência tecnológica pode potencializar os danos de outro transtorno (comprometimento da autoestima para pacientes deprimidos, maior isolamento de ansiedade social (hikikomori), maior prejuízo no desempenho acadêmico e no trabalho e até obter um diagnóstico de TDAH  e ser medicado sem uma necessidade real. 

 

Se você identificou algum desses sintomas em seu filho, não deixe de fazer uma avaliação. O tratamento terapêutico é o melhor remédio.

Juliana Palma

Psicopedagoga, Psicomotricista, Psicoterapeuta Sistêmica e M.a em Educação

Olá! Trabalho com terapia de aprendizagem há 6 anos. No meu espaço psicopedagógico acredito que todos podem aprender e se desenvolver e estou em constante busca de conhecimentos e técnicas que possam facilitar o aprendizado de todas as pessoas. Essa terapia psicopedagógica para Hikikomori foi desenvolvida com base clínica, através dos problemas apresentados pelos meus pacientes, demonstrando grande eficiência no controle da ansiedade e estresse, aumentando o autocontrole e bem-estar da criança e de seus familiares. Agende uma sessão hoje mesmo. E se ficou alguma dúvida, clique no link abaixo e fale comigo pelo whatsapp.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn