Todo mundo pode ter dificuldade em ficar parado, prestar atenção ou controlar o comportamento impulsivo de vez em quando. Para algumas pessoas, no entanto, os problemas são tão penetrantes e persistentes que interferem em todos os aspectos de sua vida: em casa, acadêmico, social e no trabalho.

O transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH) é um transtorno do neurodesenvolvimento que afeta 11% das crianças em idade escolar. Os sintomas continuam na idade adulta em mais de três quartos dos casos. O TDAH é caracterizado por níveis inadequados de desatenção, impulsividade e hiperatividade.

Indivíduos com TDAH podem ter muito sucesso na vida. No entanto, sem identificação e tratamento adequado, o TDAH pode ter consequências graves, incluindo fracasso escolar, estresse e ruptura familiar, depressão, problemas de relacionamento, abuso de substâncias, delinquência, lesões acidentais e fracasso no trabalho. A identificação e o tratamento precoces são extremamente importantes.

A ciência médica primeiro documentou crianças exibindo desatenção, impulsividade e hiperatividade em 1902. Desde então, o distúrbio recebeu vários nomes, incluindo disfunção cerebral mínima, reação hipercinética da infância e transtorno de déficit de atenção com ou sem hiperatividade. Com o sistema de classificação do Manual Diagnóstico e Estatístico, Quinta Edição (DSM-5) , o transtorno foi renomeado para transtorno de déficit de atenção/hiperatividade ou TDAH. O nome atual reflete a importância do aspecto desatenção do transtorno, bem como de outras características do transtorno, como hiperatividade e impulsividade.

Sintomas

Normalmente, os sintomas de TDAH surgem na primeira infância. De acordo com o DSM-5 , vários sintomas devem estar presentes antes dos 12 anos de idade. Muitos pais relatam atividade motora excessiva durante os primeiros anos, mas os sintomas de TDAH podem ser difíceis de distinguir da impulsividade, desatenção e comportamento ativo que é típico para crianças menores de quatro anos. Ao fazer o diagnóstico, as crianças devem apresentar seis ou mais sintomas do transtorno; adolescentes com 17 anos ou mais e adultos devem ter pelo menos cinco dos sintomas presentes. O DSM-5 lista três apresentações de TDAH – predominantemente desatento, hiperativo-impulsivo e combinado. Os sintomas para cada um são adaptados e resumidos abaixo.

TDAH apresentação predominantemente desatenta

  • Não dá muita atenção aos detalhes ou comete erros por descuido
  • Tem dificuldade em manter a atenção
  • Não parece ouvir
  • Lutas para seguir as instruções
  • Tem dificuldade de organização
  • Evita ou não gosta de tarefas que exijam esforço mental sustentado
  • Perde coisas
  • É facilmente distraído
  • É esquecido nas atividades diárias

TDAH apresentação predominantemente hiperativo-impulsiva

  • Mexe com as mãos ou pés ou se contorce na cadeira
  • Tem dificuldade em permanecer sentado
  • Corre ou escala excessivamente em crianças; extrema inquietação em adultos
  • Dificuldade em se envolver em atividades silenciosamente
  • Atua como se acionado por um motor; os adultos muitas vezes se sentirão por dentro como se fossem movidos por um motor
  • Fala excessivamente
  • Desfoca as respostas antes que as perguntas tenham sido concluídas
  • Dificuldade em esperar ou se revezar
  • Interrompe ou se intromete nos outros
  • Apresentação combinada de TDAH

O indivíduo atende aos critérios para apresentações de TDAH de desatenção e hiperativo-impulsivo.

Esses sintomas podem mudar com o tempo, de modo que as crianças podem se encaixar em diferentes apresentações à medida que envelhecem.

Rótulos confusos para TDAH

Em 1994, o nome do transtorno foi alterado de uma forma que confunde muitas pessoas. Desde aquela época, todas as formas de transtorno de déficit de atenção são oficialmente chamadas de “Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade”, independentemente de o indivíduo apresentar ou não sintomas de hiperatividade. Apesar de serem os rótulos oficiais, muitos profissionais e leigos ainda usam os dois termos: TDA e TDAH. Alguns usam esses termos para designar os subtipos antigos; outros usam ADD apenas como uma forma mais curta de se referir a qualquer apresentação.

Gravidade dos sintomas

Como os sintomas de TDAH afetam cada pessoa em graus variados, o DSM-5 agora exige que os profissionais de diagnóstico de TDAH incluam a gravidade do transtorno. A gravidade do distúrbio pode mudar com a apresentação durante a vida de uma pessoa. Os médicos podem designar a gravidade do TDAH como “leve”, “moderada” ou “grave” de acordo com os critérios do DSM-5 .

Leve : Poucos sintomas além do número necessário para o diagnóstico estão presentes, e os sintomas resultam em prejuízo menor em ambientes sociais, escolares ou de trabalho.

Moderado : Sintomas ou comprometimento funcional entre “leve” e “grave” estão presentes.

Grave : Muitos sintomas estão presentes além do número necessário para fazer um diagnóstico; vários sintomas são particularmente graves; ou sintomas resultam em prejuízo acentuado em ambientes sociais, escolares ou de trabalho.

À medida que os indivíduos envelhecem, seus sintomas podem diminuir, mudar ou assumir formas diferentes. Adultos que retêm alguns dos sintomas do TDAH na infância, mas não todos, podem ser diagnosticados como tendo TDAH em remissão parcial.

TDAH ao longo da vida

As crianças com TDAH geralmente apresentam atrasos no funcionamento independente e podem se comportar mais jovens do que seus pares. Muitas crianças afetadas pelo TDAH também podem ter atrasos leves na linguagem, nas habilidades motoras ou no desenvolvimento social que não fazem parte do TDAH, mas geralmente ocorrem simultaneamente. Eles tendem a ter baixa tolerância à frustração, dificuldade em controlar suas emoções e muitas vezes experimentam mudanças de humor.

Crianças com TDAH correm risco de problemas potencialmente graves na adolescência e na idade adulta: fracasso ou atrasos acadêmicos, problemas de direção, dificuldades com colegas e situações sociais, comportamento sexual de risco e abuso de substâncias. Pode haver comportamentos negativos mais graves com condições coexistentes, como transtorno desafiador opositivo ou transtorno de conduta. As meninas adolescentes com TDAH também são mais propensas a transtornos alimentares do que os meninos. Como observado acima, o TDAH persiste da infância à adolescência na grande maioria dos casos (50-80%), embora a hiperatividade possa diminuir com o tempo.

Adolescentes com TDAH apresentam um desafio especial. Durante esses anos, as demandas acadêmicas e de vida aumentam. Ao mesmo tempo, essas crianças enfrentam problemas típicos da adolescência, como sexualidade emergente, estabelecimento de independência, lidar com a pressão dos colegas e os desafios de dirigir.

Mais de 75 por cento das crianças com TDAH continuam a apresentar sintomas significativos na idade adulta. No início da idade adulta, o TDAH pode estar associado à depressão, transtornos de humor ou conduta e abuso de substâncias. Adultos com TDAH geralmente lidam com dificuldades no trabalho e em suas vidas pessoais e familiares relacionadas aos sintomas de TDAH. Muitos têm desempenho inconsistente no trabalho ou em suas carreiras; têm dificuldades com as responsabilidades do dia-a-dia; experimentar problemas de relacionamento; e pode ter sentimentos crônicos de frustração, culpa ou culpa.

Indivíduos com TDAH também podem ter dificuldades em manter a atenção, função executiva e memória de trabalho. Recentemente, déficits na função executiva surgiram como fatores-chave que afetam o sucesso acadêmico e profissional. A função executiva é a capacidade do cérebro de priorizar e gerenciar pensamentos e ações. Essa habilidade permite que os indivíduos considerem as consequências a longo prazo de suas ações e orientem seu comportamento ao longo do tempo de forma mais eficaz. Indivíduos que têm problemas com o funcionamento executivo podem ter dificuldades em completar tarefas ou podem esquecer coisas importantes.

Distúrbios concomitantes

Mais de dois terços das crianças com TDAH têm pelo menos uma outra condição coexistente. Qualquer distúrbio pode coexistir com o TDAH, mas certos distúrbios parecem ocorrer com mais frequência. Esses transtornos incluem transtornos de comportamento desafiador e de oposição, ansiedade, depressão, transtornos de tiques ou síndrome de Tourette, abuso de substâncias, transtornos do sono e dificuldades de aprendizagem. Quando condições coexistentes estão presentes, problemas acadêmicos e comportamentais, bem como questões emocionais, podem ser mais complexos.

Esses distúrbios concomitantes podem continuar ao longo da vida de uma pessoa. É essencial um diagnóstico completo e um plano de tratamento que leve em consideração todos os sintomas presentes.

Causas

Apesar de vários estudos, os pesquisadores ainda precisam determinar as causas exatas do TDAH. No entanto, os cientistas descobriram uma forte ligação genética, uma vez que o TDAH pode ocorrer em famílias. Mais de 20 estudos genéticos mostraram evidências de que o TDAH é fortemente herdado. No entanto, o TDAH é um distúrbio complexo, que é o resultado de múltiplos genes que interagem.

Outros fatores no ambiente podem aumentar a probabilidade de ter TDAH:

  • exposição a chumbo ou pesticidas na primeira infância
  • parto prematuro ou baixo peso ao nascer
  • lesão cerebral

Os cientistas continuam a estudar a relação exata do TDAH com fatores ambientais, mas apontam que não há uma causa única que explique todos os casos de TDAH e que muitos fatores podem desempenhar um papel.

Anteriormente, os cientistas acreditavam que o estresse materno e o tabagismo durante a gravidez poderiam aumentar o risco de TDAH, mas evidências emergentes estão começando a questionar essa crença. No entanto, mais pesquisas são necessárias para determinar se há um link ou não.

Os seguintes fatores NÃO são causas conhecidas, mas podem piorar os sintomas de TDAH em algumas crianças:

  • assistindo muita televisão
  • comer açúcar
  • estresse familiar (pobreza, conflito familiar)
  • experiências traumáticas

Os sintomas de TDAH, por si só, podem contribuir para o conflito familiar. Embora o estresse familiar não cause TDAH, ele pode mudar a forma como o TDAH se apresenta e resultar em problemas adicionais, como comportamento antissocial.

Problemas nos estilos parentais ou parentais podem tornar o TDAH melhor ou pior, mas não causam o transtorno. O TDAH é claramente um distúrbio cerebral. Atualmente pesquisas estão em andamento para melhor definir as áreas e caminhos que estão envolvidos.

Referências: 

Muitas informações desse texto foram traduzidas de sites ou livros importantes e renomados. Para aprender mais e beber direto da fonte consulte: 
https://chadd.org
https://add.org/
Barkley, RA. (2014).  Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, quarta edição: Um manual para diagnóstico e tratamento. Nova York, NY: Guilford Press.
Wolraich, M. & DuPaul, G. (2010). Diagnóstico e gerenciamento de TDAH: um guia prático para a clínica e a sala de aula.  Baltimore, MD: Brooks Publishing.
Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC). Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade.     www.cdc.gov/ncbddd/adhd/diagnosis.html

What's Your Reaction?

divertido divertido
1665
divertido
inspirado inspirado
1332
inspirado
feliz feliz
666
feliz
oh meu Deus oh meu Deus
2997
oh meu Deus
motivado motivado
1998
motivado
gostei gostei
333
gostei
Juliana Palma

Pedagoga, Psicopedagoga, Psicomotricista e Ma em Educação. Acadêmica do curso de Psicologia na Universidade São Franciso. Analista Comportamental e Terapeuta em ABA. "Descobri o TDAH aos 33 anos e hoje me dedico a ajudar outros adultos na avaliação e na intervenção do transtorno." Atendo crianças, adolescentes, adultos e idosos em seu espaço psicopedagógico online e na cidade de Bragança Paulista.

0 Comments

Leave a Reply